Queda do avião que transportava a cantora Marilia Mendonça

 

Em 05/11/2021, no interior de Minas Gerais, caiu o avião em que viajava a cantora Marília Mendonça, de 26 anos, seu produtor, Henrique Ribeiro, seu tio e assessor, Abicieli Silveira Dias Filho, o piloto e o copiloto.  Todos morreram. A cantora deixou um filho, Leo, de quase dois anos, e o piloto esposa e 3 filhos.  Os corpos foram traslados para Goiânia e Salvador (BA) para velório e enterro.

O avião, um bimotor Beech Aircraft, da PEC Táxi Aéreo, de Goiás, prefixo PT-ONJ, estava em situação regular segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).  Ele decolou de Goiânia e tinha como destino a cidade de Caratinga, onde ela faria um show para um público de 8.000 pessoas.  Ele será transportado para o Rio de Janeiro, segundo informações da empresa responsável pela remoção.

 A hipótese provável da causa do acidente, em investigação pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos - CENIPA, do Comando da Aeronáutica, é que tenha havido uma colisão contra fios de alta tensão próximos ao local.

Os seguros que podem ser acionados são:

Vida:

  1. Morte acidental, que pode ser contratada pelo dobro da morte natural;

  2. Serviço de assistência funeral com todas as providencias necessárias ao sepultamento/cremação.

Viagem:

  1. Morte acidental;

  2. Traslado de corpo;

  3. Serviço de assistência funeral com todas as providencias necessárias ao sepultamento/cremação.

Aeronáutico:

  1. O avião;

  2. As despesas de salvamento e de desentulho do local;

  3. Danos decorrentes da colisão contra fios de alta tensão;

  4. Danos compensatórios (incluindo custas judiciais contra o Segurado) em relação a morte dos passageiros no que exceder ao RESPONSABILIDADE CIVIL DO EXPLORADOR OU TRANSPORTADOR AÉREO (RETA), que é um seguro obrigatório.

Eventos:

  1. O prejuízo pelo evento não ter ocorrido.